Internet das coisas e smart cities pautam lançamentos de fibra óptica

Da redação – 17.10.2016 –

Novas soluções fazem parte dos lançamentos na Futurecom, principal evento do setor de telecomunicações, que começou hoje em São Paulo.

A chinesa Raisecom e a japonesa Furukawa diferem em várias características, mas compartilham o foco em internet das coisas (IoT) como uma das tendências desse ano na Futurecom. No caso da primeira, o destaque é o novo sistema de fibras compartilhadas padrão GPON, sigla para redes ópticas passivas com velocidades de gigabit. A novidade é uma família de infraestrutura triple play, ou seja, que permite o tráfego de serviços de voz, dados e imagens. Segundo ela, a nova infraestrutura permitiria tornar a ativação menos custosa, inclusive para implementações com menos de 1 mil usuários, entre as quais  “multiprocessamento de dados geograficamente dispersos, interações intensivas como máquina a máquina (M2M), exploração em massa de apps móveis interativas e conexões de Internet das Coisas (IoT)”

“Nossos equipamentos GPON estabelecem uma nova base de avaliação de ROI para estruturas de tráfego rico e permitem que os provedores possam projetar redes pequenas e escaláveis para a venda de serviços de alto valor agregado”, afirma Dario Zipris, Vice Presidente de Vendas Internacionais da Raisecom.

Segundo ele, o lançamento da Raisecom quebra o antigo paradigma de que a utilização de GPON estava vetada, por exemplo, para serviços de FTTH (Fibra até a Residência, no acrônimo em Inglês) em casos de ambiente rural e bairros pouco povoados. Ou ainda, para implementações FTTB (Fibra até o Prédio) em casos de edifício ou campus com baixa densidade de conexões.

A Furukawa, por sua vez, aposta na solução FiberMesh e no sistema de iluminação inteligente SmartLighting, dois lançamentos que contemplam o cenário de cidades inteligentes e de aplicações de IoT. “O conceito FiberMesh é muito importante no contexto de smart cities, pois garante um sistema de comunicação com altíssima disponibilidade, confiabilidade e redundância para aplicações críticas”, explica Nelson Saito, gerente geral de Engenharia de Aplicação de Sistemas da Furukawa.

Uma dessas vantagens é a maior confiabilidade, garantida pela topologia de rede óptica tipo mesh (malha), que cria caminhos redundantes para a transmissão de dados. O equipamento FiberMesh, desenvolvido com o objetivo de atender o mercado de automação de aplicações de missão crítica – como distribuição de energia em redes elétricas inteligentes (smart grid) -, permite criar até quatro rotas ópticas diferentes, em sistemas de comunicação de 100 Mbps.

Na área de IoT, o destaque maior fica com o SmartLighting, solução de conectividade para iluminação inteligente que utiliza cabeamento estruturado (par trançado) para comunicação com  luminárias LED – que são interligadas por meio de uma controladora equipada com software de gerenciamento. Acessado via web, esse software permite a automação e o controle total do sistema de iluminação dos ambientes onde as luminárias LED estão instaladas, proporcionando economia de energia.

“O SmartLighting inclui sensores de presença e de luminosidade, que permitem o acendimento automático da luminária (em função da presença de pessoas), o controle de dimerização e de luminosidade do ambiente”, afirma Saito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *