Maior plataforma de óleo e gás do mundo automatiza manutenção

Goliat, plataforma de produção, armazenamento e descarga (FPSO) de óleo e gás pertencente ao consórcio Eni Norge-Statoil, usa posicionadores inteligentes em todas as suas válvulas

Da Redação – 16.04.2015

Goliat

Goliat

A maior planta FPSO do mundo, com 75 metros de altura e 112 metros de diâmetro, deverá entrar em funcionamento até o final do ano, operando nas condições adversas no Mar de Barents, na Noruega. Pertencente ao consórcio Eni Norge (65%) e Statoil (35%), a plataforma vai extrair óleo e gás em alto mar, a 100 km da cidade norueguesa de Hammerfest. Além da extração, a planta armazenará e fará a descarga dos materiais. Os números impressionantes do equipamento também se replicam em tecnologia e volume de dispositivos empregados, caso dos posicionadores inteligentes fornecidos pela Metso.

Fabricados em aço inox, eles foram escolhidos para equipar as quase 900 válvulas de controle pneumáticas, ESD, on-off e de emergência da FPSO. Ao equipar todas as válvulas pneumáticas automatizadas com posicionadores inteligentes da Metso, o consórcio reduz os custos operacionais e de manutenção, agregando, inclusive, a possibilidade de diagnósticos preditivos.

A Goliat é a primeira planta FPSO a ter todas as suas válvulas equipadas com os dispositivos fabricados pela Metso. De acordo com o consórcio proprietário da FPSO, a capacidade de trazer inteligência para qualquer válvula fez da Metso a melhor escolha para o exigente ambiente offshore. Os diagnósticos superiores e a funcionalidade plug-and-play dos posicionadores de válvulas de aço inox convenceram a Eni Norge e a Statoil de que a Metso poderia ajudá-los a atingir seus objetivos.

Para a Metso, o projeto representa sua maior entrega offshore até hoje. Garantindo o máximo controle da planta. “O diagnóstico superior é um dos maiores ativos do nosso portfólio de produtos. Para os operadores, a interface gráfica de fácil utilização mostra rapidamente como uma válvula específica está funcionando”, diz Juha Yli-Petays, Vice-Presidente da linha de negócios de Valve Controls da Metso. “Graças ao constante monitoramento das condições das válvulas, agora é possível a transferência da análise dos trabalhos de manutenção para um local em terra, eliminando todo trabalho desnecessário de manutenção no oceano. Isso é especialmente importante em ambientes offshore, onde custos de manutenção não programada podem ser extremamente elevados”, completa o especialista.

Ele destaca que todas as válvulas automatizadas da plataforma offshore serão monitoradas online, permitindo que a Eni Norge e a Statoil mantenham máximo controle de toda a planta.

A Goliat deve estar totalmente instalada e em operação até final de 2015. Em fevereiro deste ano, o equipamento já tinha deixado o estaleiro sul-coreano onde foi construído e começou a ser movimentado em direção à costa norueguesa. A planta produzirá óleo e gás e está equipada com as mais recentes soluções técnicas do mundo, que permitem a operação de forma confiável no clima extremamente frio e na escuridão durante os rigorosos invernos nórdicos.

Deixe uma resposta

*

Este post foi visto 1182 vez(es).