Manutenção de filtros assegura via útil de equipamentos off road

Por Rodrigo Conceição Santos – 02.05.2016 – 

Foto de Divulgação Mann+Filter
Foto de Divulgação Mann+Filter

Empresas fabricantes de filtros para controle de contaminação de ar e óleo avaliam que a manutenção correta desses elementos é primordial para garantir a vida útil de equipamentos fora de estrada como caminhões OTR, pás carregadeiras, escavadeiras e outros. Em alguns casos, componentes internos como pistão, camisas injetoras e seus periféricos ganham até 30% de longevidade, mas essa não é uma matemática simples e o seu resultado depende de cada aplicação, conforme a severidade do ambiente ao qual o equipamento é exposto.

Para André Gonçalves, consultor técnico da Mann+Filter, a alta concentração de pó presente nos ambientes de trabalho dos equipamentos off road – seja com motor em funcionamento estático ou operando – é o principal influenciador da vida útil de elementos do motor, como os filtros. “O ambiente severo diminui a vida útil dos componentes, que muitas vezes precisam ser trocados antes da quilometragem ou do tempo recomendado no manual do fabricante”, reforça.

Justamente pela particularidade operacional, o especialista avalia que não se deve se ater a regras de horas ou quilômetros trabalhados quando o assunto é manutenção de elementos filtrantes em equipamentos off road. “Há diversos fatores externos que interferem nessa conta. Por exemplo, se o período é chuvoso, os danos ao filtro de ar são menores. Em tempos seco o processo é inverso“, diz. Veículos que trabalham em condições mais severas, como na mineração, acrescenta ele, precisam de mais atenção em relação aos itens que compõem o sistema do motor. “A manutenção correta evita o desgaste excessivo nas partes móveis do motor como pistão, anéis e camisa. Um filtro muito sujo pode aumentar o consumo de combustível e os níveis de emissão de poluentes, prejudicando o meio ambiente e gerando até multas em algumas cidades“, completa.

Gonçalves pondera que, apesar de não ser possível prever, é possível identificar o momento ideal para a troca do filtro de ar. E isso se faz, segundo ele, checando o indicador de restrição, que normalmente já vem instalado no equipamento. “Também é possível usar uma coluna de água, com a qual se acompanha a evolução da restrição até que essa atinja o valor máximo pré-estabelecido pelo fabricante para esse componente“, diz ele, acrescentando que que a função do filtro de ar é reter as partículas aspiradas pelo motor, e cuidar para que somente ar limpo entre na câmara de combustão.

Troca e limpeza
Fabricantes do componente, como a Mann+Filter, não recomendam a limpeza do filtro de ar, alegando que não é possível prever o resultado, mas reconhecem que a prática é comum no mercado. E ela é chamada de tamboreamento, limpeza ou de reciclagem, num processo que começa classificando as avarias do filtro de ar.

Os filtros são pesados inicialmente, para que se possa identificar o nível de saturação medida a partir do peso. Em seguida passam por um processo de sopragem. Em suma, se o filtro estiver em boas condições, ele segue para uso novamente, e há relatos de reaproveitamento do componente por várias vezes.

A limpeza ocorre com o motor desligado e a tampa retirada em local de pouca poeira no ar. Em equipamentos que há filtro secundário, é preciso mantê-lo no local quando se retira o primário para verificação, pois ele funcionará preventivamente durante esse período, evitando a entrada de intempéries no sistema.

Outra recomendação é que, para evitar que o papel filtrante seja danificado por líquidos, se utilize um pano seco para limpar o compartimento, além de remover os resíduos acumulados em seu interior. Também é prudente encaixar um filtro primário de reserva enquanto é feita a limpeza do outro.

A remoção da poeira do filtro é feita com ar comprimido seco, nunca ultrapassando 30 psi de pressão, e soprado de dentro para fora, no sentido longitudinal das pregas do papel. Após a limpeza, a recomendação é posicionar uma fonte de iluminação no interior do filtro, certificando que não há passagens nítidas de luz, o que indica um furo e torna o componente inutilizável. Esse processo de verificação é conhecido como teste da lâmpada.

Substituição
Seja para limpeza ou para troca de filtro usado por novo, André Golçalves, da Mann+Filter, conta que há procedimento correto para realizar a remoção de filtros de ar e de óleo, e a forma mais eficaz é remover o elemento filtrante sem remover o elemento de segura (elemento interno). Afinal, segundo ele, enquanto é feita a limpeza da carcaça do filtro, esse segundo item garante que a tomada de ar limpo fique protegida. “Assim, quando o processo estiver concluído, ele deve ser retirado para substituição”, diz. “Com esse procedimento, é possível garantir que não seja ultrapassado o limite de partículas por milhão de silício presente no óleo, por exemplo”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *