Painéis solares sobre flutuadores ganham nova oferta no Brasil

Da Redação – 11.09.2017 –

A Ciel & Terre Brasil é uma joint venture da francesa Ciel & Terre com a empresa brasileira Sunlution, e acaba de firmar parceria com a petroquímica Braskem para desenvolver o mercado brasileiro de geração fotovoltaica flutuante. A tecnologia Hydrelio consiste na instalação de painéis fotovoltaicos sobre flutuadores de polietileno. Esses flutuadores são de alta densidade e fabricados pela Braskem.

 

A petroquímica tem mais participação no negócio. Uma delas é apoiar o parceiro no mercado local. Outra é o aprimoramento tecnológico, já que ela trabalhou na adequação da resina de polietileno e na identificação de transformadores para a produção local dos flutuadores. A Braskem também suportou a modelagem do negócio no mercado brasileiro.

“O papel da Braskem no desenvolvimento dessa solução tem sido fundamental. A demanda inicial que era definir uma resina que atendesse os requisitos técnicos para os flutuadores, tornou-se uma oportunidade de negócio de elevado potencial, frente à gama de mercados em que o Hydrelio poderá ser viabilizado e empregado”, diz Jorge Alexandre, responsável por desenvolvimento de mercado de PE para construção civil e infraestrutura da Braskem.

As placas solares sobre flutuadores podem ser aplicadas em lagos industriais e de retenção, reservatórios de irrigação e de água potável, estações de dessalinização e de tratamento de águas, açudes e canais. Entre os benefícios da tecnologia estão a liberação de terrenos em terra firme, que seriam ocupados pelo sistema tradicional de geração solar, para usos voltados à produção rural (criação, agricultura, etc.), redução de custos de ligação à rede por poder estar perto de infraestruturas elétricas existentes, aumento da produtividade fotovoltaica devido à refrigeração natural do sistema pela superfície da água e manutenção mais simples e barata.

O primeiro projeto implementado no Brasil com o Hydrelio foi concluído recentemente na Fazenda Figueiredo, em Cristalina (GO). A construção da usina fotovoltaica sobre um lago de acúmulo de água da chuva permitiu a geração de energia em uma área que estava em desuso. Estudos realizados pela empresa Ciel & Terre International apontam que este tipo de tecnologia gera aproximadamente 14% mais eletricidade do que a geração solar em terra ou no telhado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *