Sabesp substitui redes de água na Grande São Paulo

Da Redação – 03.07.2017 –

O conjunto de obras contempla a substituição de 685 quilômetros de redes antigas apenas por sistema não destrutivo, reduzindo as perdas de água no abastecimento à região

A concessionária de água e esgoto de São Paulo, a Sabesp, iniciou um grande programa de obras na capital do Estado e cidades vizinhas, com o objetivo de reduzir as perdas de água no abastecimento a esta região. Até o final deste ano a empresa prevê realizar intervenções em 29 áreas da cidade de São Paulo e demais municípios dessa região metropolitana, como a substituição de tubulações antigas, a instalação de equipamentos de volume, de válvulas redutoras de pressão (VRPs) e unidades de bombeamento, entre outras ações.

Para 2018, a expectativa é de estender o projeto a outras 18 regiões da Grande São Paulo, totalizando investimentos de cerca de 920 milhões de reais. Essas obras, que incluem a adequação na área de abastecimento de água – inclusive com a possibilidade de construção de um novo reservatório ou a transferência do abastecimento de parte de um bairro para outro – contam com financiamento da Agência de Cooperação Internacional do Japão, a Jica. Segundo a Sabesp, a substituição de redes antigas de ferro fundido por novas tubulações de polietileno de alta densidade (PEAD) é programada para avançar a cada ano em determinadas áreas da concessionária. Mas o financiamento japonês ajudará a acelerar o projeto.

As obras começaram pelos bairros de Vila Matilde e Artur Alvim, na zona Leste de São Paulo, e se estenderão para as outras regiões da capital paulista e demais cidades da Grande São Paulo, onde ainda se encontram em processo de contratação. O cronograma das obras no interior e litoral do estado será definido em breve. A Sabesp destaca que, apenas este ano, a substituição de redes antigas totalizará 685 quilômetros de tubulação executada com tecnologia de ponta. Também está prevista a instalação de outros 280 quilômetros de novas redes de distribuição de água.

A tecnologia de ponta citada pela concessionária, já em utilização nas obras que estão sendo executadas na Vila Matilde e Artur Alvim, é o Pipe Bursting. Trata-se de um equipamento semelhante à perfuratriz direcional horizontal (HDD), cuja broca usada para perfuração corre no interior do duto antigo, removendo esse material durante seu avanço e puxando a nova tubulação de PEAD. Dessa forma, esse “moedor de tubo” permite realizar todo o projeto sem intervenções na superfície – o denominado Método Não-Destrutivo (MND) – o que reduz o impacto sobre o trânsito e o cotidiano da cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *