Setor de dutos avalia oportunidades e desafios para os próximos tempos

Redação – 05.08.2019 –

O Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) começou os debates sobre o setor dutoviário que serão tema da Feira de negócios Rio Pipeline, prevista para acontecer entre 03 e 05 de setembro, no Rio de Janeiro. Para Milton Costa Filho, secretário-geral do IBP, “o momento não poderia ser mais propício, já que estamos diante de mudanças significativas no mercado. Além das privatizações, o processo de abertura traz à tona a busca por maior competitividade no setor, o que inclui a necessidade de formação de equipes com profissionais qualificados para atender as novas demandas que irão surgir. Tudo isso, alinhado a um momento de transição energética e transformação digital, faz do momento atual o melhor cenário para a Rio Pipeline 2019”, disse.

As ocorrências de furto de combustíveis e os acidentes decorrentes das derivações clandestinas estão entre os principais temas do setor. Mauro Mendes, gerente-executivo de logística da Petrobras, apresentou o Programa Integrado de Proteção de Dutos, o Pró-Dutos, numa parceria da estatal com a Transpetro. “O Pró-Dutos, lançado no mês de junho, tem como objetivo prevenir furtos de combustíveis na malha de oleodutos operada pela Transpetro”, explicou. “Nosso objetivo é o de reduzir em 75% os furtos até dezembro de 2021, para assim, minimizar riscos, operar com segurança e evitar impactos das atividades clandestinas, já que, muitas vezes, os furtos causam vazamentos de produtos que contaminam o solo e podem resultar em explosão, colocando em risco a sociedade, o meio ambiente e o patrimônio das empresas”, completa.

Para conter os furtos de combustíveis em oleodutos, além do Programa Integrado de Proteção de Dutos, Mauro Mendes traça os passos que o Brasil vem dando em relação ao desenvolvimento do mercado de gás natural e de refino e logística. Segundo ele, a Petrobras vai investir cerca de US$ 1,4 bilhão em refino e US$ 370 milhões em logística nos próximos anos.

Ainda no setor de logística, Antonio Rubens, presidente da Transpetro, informou que a empresa, braço logístico da Petrobras, vem se preparando para esse novo momento de transição. “Estamos nos preparando para dar um novo passo, focando em nos posicionarmos como prestadora de serviço logístico, sempre mantendo a excelência de nossas operações”, diz.

Wong Loon, presidente da NTS, também abordou a relevância de priorizar e investir em segurança e destacou que essa área precisa estar ligada a um sistema de governança e compliance. “A NTS prevê investir 900 milhões de reais nos próximos cinco anos, enquanto busca se tornar mais eficiente e se prepara para a expansão futura da malha e atração de novos clientes”, pontuou.

De acordo com Gustavo Labanca, diretor-presidente da Transportadora Associada de Gás (TAG), a companhia também pretende se preparar para atuar no novo mercado de gás e se tornar relevante no horizonte de cinco anos. “O desafio é trazer novos clientes à rede de transporte de gás no país”, explicou.

Para Wagner Biasoli, presidente da Logum – que opera o maior duto de etanol do país –, o cenário se mostra mais promissor para o etanol nos próximos anos, impulsionado pelo RenovaBio, política de estímulo à expansão dos biocombustíveis. “Desta forma, a empresa se organiza para retomar a expansão da sua malha”, conclui.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *