Ainda carregando… a expansão do 5G na América Latina

Juan Balbas (*) – 11.08.2020 – 

Taxa transferência de dados 1000 vezes maior que a da rede LTE? Um Instagram Stories carregado em segundos? É isso que nos espera no futuro ao padronizarmos a tecnologia de telefonia móvel 5G, que se tornará a base tecnológica para o desenvolvimento da Internet das Coisas (IoT). Esse futuro incluirá veículos automatizados e casas inteligentes, que, por sua vez, se conectarão às cidades inteligentes… A tecnologia 5G vem cheia de potencial!

O 5G promete revolucionar nossas rotinas diárias, transferindo mais dados em velocidades mais altas e a uma latência menor. Apesar da atual pandemia, este ano está sendo empolgante para a tecnologia 5G, já que finalmente estamos dando passos importantes para a próxima onda de inovação digital. Embora  a América Latina deva ver a chegada da quinta geração em seu território antes do previsto, com as implantações de redes 5G favoráveis na região, a estrada não será fácil, principalmente por conta do cenário regulatório complexo e investimentos necessários para que ela funcione adequadamente. Ainda assim, as redes 5G deverão entrar em operação na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e México ainda este ano.

Mas… por que todo esse amor pelo 5G?
Em poucas palavras, o 5G cumprirá a promessa de uma tecnologia mais rápida, melhor e mais automatizada. Das cidades inteligentes à telemedicina, a promessa do 5G apresenta infinitas possibilidades.

 O 5G deverá melhorar o desempenho da rede e oferecer todos os tipos de novos recursos que revolucionarão nossas experiências pessoais e profissionais diárias. Isso é ainda mais importante hoje, pois nossas vidas pessoais e profissionais estão se misturando ainda mais e fazemos mais coisas em casa, como trabalhar e até mesmo realizar operações bancárias. Contarmos com uma Internet de alta velocidade e uma rede que permita conectividade constante passou a ser essencial, e a melhoria desse desempenho é fundamental. Muitos países da região estão trabalhando diligentemente, abrindo caminho para o 5G. Por exemplo, a Telcel e a AT&T Mexico anunciaram esforços para lançar o 5G em 2021, e a Telefónica continua garantindo que implantará os serviços 5G no Peru até 2021.

Inicialmente, o 5G aproveitará o 4G em vez de substituí-lo de imediato. Os usuários terão tempo para trocar seus dispositivos habilitados de 4G por um 5G. O ritmo da mudança será basicamente determinado pela atratividade dos novos aplicativos habilitados para 5G. Por isso, países como o México prometeram oferecer bandas de 3,4 GHz e 600 MHz até o final de 2020 – esses tipos de bandas são considerados pilares da tecnologia 5G.

Onde o 5G já foi implantado?
Muitos centros de cidades estão a um passo da transformação para o 5G. Globalmente, os operadores têm focado nas implementações de 5G em áreas metropolitanas densamente povoadas para oferecer aos clientes uma rede mais rápida e de latência mais baixa o quanto antes. À medida que a implantação do 5G avançar, veremos áreas metropolitanas se transformando em cidades inteligentes, mais veículos autônomos nas ruas, aumento nos serviços de atendimento a emergências com tecnologia e hubs de suporte a centros e empresas de inovação.

De acordo com a 5G Americas, redes 5G começaram a operar no Uruguai, Porto Rico, Trinidad e Tobago e Suriname em 2019. Pelo menos 30 testes 5G foram realizados em 12 países da região durante o ano passado, o que indica que alguns países já estão implantando esta tecnologia.

No entanto, ainda resta sabermos se o abismo digital continuará aumentando, uma vez que ainda existem muitas áreas rurais que não contam sequer com acesso a conexões básicas de banda larga. Embora as entidades governamentais tomem medidas na direção certa para ajudar a diminuir essa diferença, oferecendo financiamento para fornecer serviços de largura de banda de alta velocidade às comunidades rurais, o caminho à frente ainda será longo. Isso oferece uma imensa oportunidade para os operadores também considerarem as comunidades rurais quando o 5G decolar. Esses operadores têm a capacidade única de promover o desenvolvimento e o crescimento econômico, sem deixar nenhuma cidade para trás.

Quando a rede estará pronta para o 5G?
Não há qualquer dúvida de que mudar para uma rede 5G é uma maratona, não uma corrida de 100 metros rasos. Apesar do entusiasmo, ainda temos um longo caminho a percorrer na jornada do 5G na América Latina e levará anos para trazer o verdadeiro desempenho da rede 5G a todos e a tudo. Essa próxima geração de tecnologia requer mais do que apenas aumentar a capacidade das redes móveis existentes. Para realmente habilitar novos aplicativos e modelos de negócios, os operadores estão tomando medidas ousadas para alterar a maneira como as redes são projetadas, implantadas e gerenciadas. Eles também estão adotando conceitos como automação, análise de dados, virtualização, MEC (Multi-access Edge Computing) e fatiamento de rede (Network Slicing), pois são pontos essenciais para assegurar o sucesso comercial das redes 4G existentes e das futuras redes 5G. Os operadores que puderem desenvolver, de maneira econômica, uma plataforma 5G com capacidade, flexibilidade e automação suficientes vencerão a corrida ao sucesso do 5G.

Qual o papel da tecnologia óptica na preparação para o 5G?
A tecnologia óptica é extremamente importante no mundo 5G. A fibra ótica é a melhor tecnologia disponível para transportar fluxos de dezenas a centenas de gigabits por segundo entre as antenas 5G e o núcleo da rede. No mundo hiperconectado de hoje, já vão longe os dias em que as redes só precisavam colocar mais cabos para atender às demandas. O software agora desempenha um papel crítico ao ajudar as redes a se adaptarem rapidamente para lidar com as demandas do 5G.

Por que a rede precisa ser mais adaptável no 5G?
Para gerenciar a quantidade de tráfego de rede e as demandas por largura de banda, os provedores de serviços exigem uma rede ágil que possa contrair e expandir conforme a demanda do consumidor, que crescerá à medida que mais serviços e aplicativos para 5G estiverem disponíveis. Ao tornar as redes mais adaptáveis, as empresas podem aproveitar a automação de programação, inteligência e automação de close-loop orientada por análises para otimizar consistentemente o desempenho da rede.

Enquanto a América Latina continua se preparando dedicadamente para o início do 5G, muitos países precisarão se preparar para a migração investindo em infraestrutura e aumentando sua disponibilidade de espectro de rádio. Sabemos que cada operador está em uma jornada única e que clientes, desenvolvedores e empresas também estão se preparando para a transformação que essa tecnologia trará para seus negócios atuais. Com as atualizações certas e as melhores soluções do setor, as operadoras estão a caminho de fornecer serviços 5G aos clientes e abrir um novo mundo de comunicações que será mais rápido, escalável e mais confiável em toda a região.

* Juan Balbas, diretor de vendas para soluções estratégicas da Ciena nas Américas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *