Artigo: Digitalização é estratégia anticorrupção

Carlos Santiso – CAF – 09.08.2021 – A digitalização pode interromper a corrupção reduzindo a discrição, aumentando a transparência e permitindo a responsabilização, desmaterializando os serviços e limitando as interações humanas. 

A resposta à crise do coronavírus está fornecendo uma oportunidade única para “reinventar o governo”, reconstruir a confiança e acelerar a luta global contra a corrupção, impulsionada pelo uso mais inteligente de novas tecnologias e análises de dados. A transformação digital é fundamental para os planos de recuperação, que exigirão governo ágil e redução da burocracia, mas também programas de reativação à prova de corrupção. Também exigirá o gerenciamento e a mitigação dos riscos à privacidade e à segurança pública. Em um nível macro, a correlação entre digitalização e corrupção está bem estabelecida.

A digitalização pode interromper a corrupção reduzindo a discrição, aumentando a transparência e permitindo a responsabilização, desmaterializando os serviços e limitando as interações humanas. Além disso, permite uma supervisão mais eficaz por instituições de responsabilidade mais inteligentes e sociedade civil com experiência em dados. No entanto, há menos evidências acionáveis ​​no nível micro sobre os efeitos de reformas específicas da digitalização sobre os diferentes tipos de corrupção e os canais de política através dos quais operam.

A ascensão da tecnologia de integridade

Uma forma importante pela qual a aceleração digital está permeando o espaço de integridade é por meio do uso de tecnologias disruptivas e análise de dados como dispositivos anticorrupção por atores de integridade, dentro e fora do governo. Esses atores incluem entidades governamentais que supervisionam os recursos públicos, como autoridades fiscais, agências de compras e ministérios das finanças, bem como instituições de prestação de contas, como escritórios de auditoria, sociedade civil e, cada vez mais, startups de tecnologia cívica. Integrity-tech refere-se ao uso de tecnologias digitais como ferramentas anticorrupção para prevenir e investigar a corrupção. Em particular, o uso mais inteligente da análise de dados está provando ser uma virada de jogo, pois o aumento exponencial e a abertura de dados fornecem potentes drivers de integridade.

As autoridades fiscais têm sido usuárias ativas de novas tecnologias para aumentar a conformidade tributária e evitar fraudes fiscais. As evidências mostram que o preenchimento eletrônico de obrigações fiscais reduz os custos de conformidade tributária, melhora a arrecadação de impostos e reduz a fraude fiscal. No Quênia, o economista Njuguna Ndung’u demonstra como a digitalização do sistema tributário reduziu a interação direta entre contribuintes e funcionários fiscais, impedindo assim o suborno.

Na Grã-Bretanha, a agência de receita estendeu energicamente seus poderes de transformação digital e coleta de dados para reduzir a “lacuna tributária”. Seu sistema Connect analisa dados de contribuintes e redes sociais para identificar potenciais sonegadores de impostos. Seu algoritmo preditivo identifica as pessoas com maior probabilidade de cometer fraudes fiscais e ajuda a planejar ações preventivas por meio de toques comportamentais. Entre 2008 e 2014, garantiu £ 3 bilhões em receitas fiscais adicionais, dos £ 80 milhões dos custos iniciais do sistema Connect, representando um retorno de 37,5 para 1 sobre o investimento em seus primeiros 5 anos.

A digitalização das compras governamentais é outra área importante para a implantação da tecnologia de integridade, acelerada pela adoção do padrão de dados de contratação aberta por um número crescente de países e endossado pelos G7 e G20. Em 2006, a Coreia do Sul foi pioneira em inteligência de negócios em contratos governamentais para identificar atividades de cartéis e manipulação de licitações. A Ucrânia tornou a aquisição digital obrigatória em 2016 e adotou a plataforma ProZorro para examinar suas 4.500 propostas por dia. Nos dois primeiros anos de operação, o ProZorro economizou US $ 1,9 bilhão. Mais recentemente, a crise do coronavírus expôs riscos de corrupção em compras emergenciais, que muitos países como o Paraguai têm procurado mitigar liberando seus gastos com COVID-19 em plataformas de dados abertos.

O uso de análise de integridade por agências de supervisão, instituições de auditoria e escritórios anticorrupção é outra área em que soluções de tecnologia de integridade estão sendo implantadas. As agências de auditoria estão recorrendo a robôs de inteligência artificial para sinalizar irregularidades nas compras governamentais. Essas ferramentas foram particularmente úteis durante a pandemia para descobrir anomalias nos gastos emergenciais com saúde. Na Colômbia, o escritório de auditoria desenvolveu uma plataforma analítica, Océano, que triangula dados de contratação com registros de empresas para detectar anomalias, estima que 27%, dos 7 milhões de grandes contratos governamentais entre 2014 e 2019, se concentraram em um número limitado de licitantes.

Nos últimos anos, os geeks de tecnologia entraram no espaço da integridade. Cada vez mais, as start-ups baseadas em tecnologia e movidas a dados estão buscando parcerias de impacto social com a sociedade civil para alavancar os dados contra a corrupção. Por exemplo, a startup francesa Linkurious e a Neo Technology, da Suécia, ajudaram o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos a entender o tesouro de dados vazado do escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca, que levou ao chamado escândalo global Panama Papers. A ascensão dos técnicos cívicos é uma tendência promissora no espaço de tecnologia para integridade. Em 2018, o Fórum Econômico Mundial criou a plataforma tech4integrity para servir como um mercado global para essas inovações de tecnologia de integridade.

No entanto, a análise de integridade depende de vários pré-requisitos para funcionar. Requer dados de boa qualidade que possam ser reutilizados com eficácia e superando os silos digitais dentro dos governos por meio de regras e protocolos claros que regulam o compartilhamento de dados. O Open Data Charter identifica 30 conjuntos de dados que são essenciais para fins anticorrupção. A qualidade desses bancos de dados ainda é, na melhor das hipóteses, desigual e incompleta. Também requer estruturas regulatórias robustas para evitar abusos e violações de privacidade.

Os dividendos de integridade da digitalização

A irrupção da tecnologia no espaço de integridade conquistou os holofotes. Existem, no entanto, benefícios de integridade mais sutis para os esforços de digitalização dos governos. Embora mais difíceis de medir, porque não é fácil desvendar os ganhos de corrupção de ganhos de eficiência mais amplos da digitalização, esses benefícios podem ter um impacto duradouro, mudando os incentivos estruturais e alterando o cálculo da busca de renda.

No centro da maioria das reformas governamentais digitais estão a simplificação dos processos administrativos e a racionalização da política regulatória. Ao reduzir a burocracia, a digitalização dos procedimentos burocráticos reduz a discricionariedade e, portanto, as oportunidades de suborno. Os custos da burocracia podem ser significativos, representando até 3,4% do PIB no México. Em 2019, pequenos casos de suborno custou à economia mexicana US$ 650 milhões em 2019, uma média de US$ 200 por vítima, de acordo com a agência de estatísticas.

As reformas do governo digital envolvem a automatização de procedimentos burocráticos, a expansão dos serviços digitais e a redução da dependência de processos baseados em papel, melhorando, portanto, sua transparência e confiabilidade. Em 2015, a Argentina decidiu deixar de usar o papel, com a digitalização dos procedimentos administrativos, a introdução da autenticação digital e a expansão dos serviços digitais. Lançou um programa de simplificação direcionado ao setor produtivo para reduzir a burocracia enfrentada pelo setor privado. Em quatro anos, a iniciativa eliminou 600 normas que não agregavam valor, mas eram passíveis de interpretação arbitrária, resultando em economia estimada em US$ 2,1 bilhões.

A digitalização tem sido fundamental para reduzir a corrupção nos programas de proteção social. A introdução da identidade digital universal, registros digitais de beneficiários e transferências digitais melhorou o direcionamento e reduziu vazamentos. Na Índia, a identidade digital universal tem sido fundamental para tamponar vazamentos nas transferências financeiras sociais. Os pagamentos digitais e a identificação biométrica por meio do sistema de identificação exclusivo Aadhaar, lançado em 2009, reduziram a corrupção nos programas de empregos e pensões, bem como nos programas de subsídio aos combustíveis. Os pagamentos digitais ajudam a bloquear vazamentos de programas de transferência do governo. É por isso que iniciativas globais como a Better Than Cash Alliance estão pedindo o fim das transações baseadas em dinheiro, como a Índia tem tentado fazer com a retirada de grandes cédulas de circulação no final de 2016.

Mind the gap

As políticas governamentais de digitalização podem ser uma estratégia eficaz de combate à corrupção, precisamente porque não são chamadas como tal. No entanto, a complexidade da corrupção e as soluções necessárias para resolvê-la não podem ser resolvidas apenas pela digitalização; dependem do contexto institucional. Incentivos institucionais, capacidades do estado e liderança forte são fundamentais. Como tal, para fazer a digitalização funcionar como um plano anticorrupção, é importante consertar instituições relacionadas também. Por último, a digitalização também cria novos riscos de corrupção, como resultado do forte aumento nos orçamentos de tecnologia dos governos e da crescente complexidade das soluções tecnológicas que os governos precisam adquirir. Quanto mais os governos se tornam digitais, mais eles se expõem a crimes cibernéticos e resgates.

Carlos Santiso é diretor de Inovação Digital do CAF  – Banco de Desenvolvimento da América Latina.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *