Banda de 600 MHz será fundamental para o 5G na América Latina

Redação – 28.08.2019 –

Relatório da 5G Americas indica como os países da região estão utilizando ou vão usar essa faixa

O novo relatório da organização, intitulado A Faixa de 600 MHz na América Latina, aponta os caminhos de uso da banda melhorar a ativação da futura rede 5G na região. O estudo reforça que a banda de 600 MHz (614 – 698 MHz) pode oferecer mais capacidade para serviços móveis em bandas baixas, buscando oferecer maior cobertura em áreas rurais e penetração superior em espaços interiores. Esta frequência se mostra como uma oportunidade para que os mercados da região possam desenvolver um ambiente 4G e começar a implantar as bases para a 5G.

Vários mercados já avançam neste sentido. Em Porto Rico, a banda é usada para oferecer serviços LTE, e tanto no México como na Colômbia, países da América Latina mais avançados, e os mais específicos, ocorre o planejamento do segundo dividendo digital. O México liberou a banda de 600 MHz ao completar o processo durante 2018, e planeja licitar o espectro ao final de 2020. Por sua vez, na Colômbia a banda estará disponível uma vez que o país finalize seu apagão analógico em 2019, ainda que a data para a tentativa do processo de alocação seja 2024.

A utilização desta banda é um avanço para América Latina, que se encontra caducada na entrega de espectro para serviços móveis, tendo em conta os valores necessários sugeridos pela União Internacional de Telecomunicações (UIT). Em paralelo, é imperativo que a região conte com um maior nível de harmonização do espectro, para uma expansão continua dos serviços móveis em benefício dos cidadãos e da obtenção dos máximos benefícios da adoção da tecnologia móvel.

Um ponto de consideração é a identificação de serviços ativos que já ocupam a banda de 600 MHz. “Por isso, é necessário que se gerem uma agenda onde fiquem claros os planos de espectro e os tempos de liberação das bandas, para que dessa forma respeitem os prazos de alocação para serviços móveis”, destaca o documento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *