Sistema monitora congestionamento urbano e ajuda no combate ao Covid-19

Redação – 30.03.2020 –

Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) criou plataforma, usando dados do Waze, para monitorar o movimento nas cidades e ajudar nas políticas de controle da pandemia

A América Latina assumiu em massa a quarentena como estratégia de contenção do coronavírus (Covid-19) e, quanto mais dados tiver, melhor poderá agir no combate à pandemia. O BID entrou no processo ao criar uma plataforma onde monitora os padrões de congestionamento urbano e de uso do transporte público. O Coronavirus Impact Dashboard já está ativo e pode ser acessado no site da instituição.

A primeira versão da plataforma inclui dados diários de casos de infecção e mortes, assim como a identificação de como as políticas de distanciamento social tem influído nos congestionamentos urbanos e no uso do transporte público. A ideia do banco é continuar atualizando a plataforma à medida que a crise evolui e adicionar variáveis que permitam compreender o impacto regional do Covid-19.

De acordo com o BID, as mudanças nos padrões de congestionamento ajudam a entender como as pessoas estão, de fato, praticando as politicas de distanciamento social. E também as possíveis variações econômicas derivadas do uso de transporte público.

“O tráfego pode ser uma indicação de uma economia saudável porque mede as pessoas que vão trabalhar e o movimento do comércio. Embora a capacidade de uma estrada seja geralmente constante (a menos que seja aprimorada ou ampliada), o número de pessoas e comércio que transitam por uma estrada flutua em parte, de acordo com a atividade econômica”, explica o documento oficial do BID.

Os dados do painel sobre congestionamento de tráfego são obtidos pela parceria com o Waze, aplicativo de navegação orientado pela comunidade. Como parte dessa colaboração, o BID recebe dados geocodificados agregados em tempo real sobre condições de tráfego e alertas relatados por usuários de toda a América Latina e Caribe a cada dois minutos.

Tráfego caiu 34% em média nas grandes cidades como Santiago e São Paulo

Usando os dados, o BID constrói uma medida de Intensidade de congestionamento de tráfego para capturar variações diárias e medi-las em relação a um período de linha de base. A semana de 1 a 7 de março de 2020 foi designada como linha de base, porque durante ela os padrões de tráfego não foram afetados por feriados regionais e ainda havia muito poucos casos relatados de coronavírus na região. Além disso, restrições ou recomendações de distanciamento social ainda não haviam sido emitidas pelos governos.

Os dados mostram que a intensidade do congestionamento de tráfego na região diminuiu significativamente desde o início da crise. Em média, no período de 8 a 26 de março, o congestionamento nas áreas metropolitanas de Bogotá, Buenos Aires, Lima, Cidade do México, Port of Spain, São Paulo e Santiago caíram 34%, atingindo uma média de 63%, com a maior queda observada em Port of Spain e a menor na Cidade do México.

Curiosamente, na semana até 15 de março, quando quase nenhum país ainda havia implementado medidas de distanciamento social, o congestionamento já era mais leve do que o habitual em várias áreas metropolitanas, com os maiores declínios observados em Port of Spain (33%) e Bogotá (20%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *