BRT de Bogotá tem velocidades comparáveis ao metrô de Nova York e aumentou PIB da cidade

Redação – 24.09.2019 –

Avaliação é do economista Nick Tsivanidis em evento promovido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pelo Banco Mundial

A experiência bem sucedida do Transmilenio, a concessionária responsável pelo corredor de ônibus rápido (BRT) de Bogotá, pode confirmar o sistema como uma alternativa realmente interessante para o transporte de massa. Inclusive, incrementando o Produto Interno Bruto (PIB). Essa é a avaliação do economista Nick Tsivanidis, apresentada em encontro na capital norte-americana no começo de setembro.

Tsivandis mostrou um modelo coerente para avaliar simultaneamente como um sistema de transporte muda várias dimensões da economia de uma cidade: seus movimentos populacionais, emprego e preços de moradias, além de como modela o comportamento de diferentes grupos, incluindo pessoas com menos e mais escolaridade. E mais: mostrou, com inúmeras fontes de dados diferentes, como um sistema de transporte de massa pode permitir aos trabalhadores maior mobilidade e, nesse processo, gerar uma melhor correspondência entre trabalhadores e empresas que aumenta a produtividade.

Segundo Steven Ambrus, jornalista que acompanhou o encontro em Washington, o foco da apresentação de Tsivandis foi a Transmilenio, o maior BRT do mundo, inaugurado em Bogotá no ano de 2000 e atualmente movimentando cerca de 2,2 milhões de viagens por dia pela maior parte da cidade e em velocidades comparáveis ​​às do metrô de Nova York.

Sistema otimizou interligação com linhas coletoras 

O estudo traz boas notícias para cidades que desejam construir BRTs como o Transmilenio, com suas estações e faixas de ônibus de uso único. Os BRTs não são apenas muito mais baratos e mais rápidos de construir que os metrôs, com reduções semelhantes no tempo de viagem. Eles podem resultar em maior produtividade e ganhos significativos de bem-estar para a população como um todo, inclusive para trabalhadores menos instruídos e com mais escolaridade.

O Transmilenio foi projetado para que suas linhas de trânsito, como raios em torno de uma roda, convergissem nas partes central e norte da cidade, onde estão localizadas as maiores e mais produtivas empresas. Crítico para esse projeto foi o estabelecimento de ônibus alimentadores, que transportam os passageiros sem custo adicional para locais além do final das linhas, resolvendo o que economistas e planejadores chamam de “o problema da última milha”. Tsivanidis mostra, de fato, que o maior impacto de Transmilenio veio dos ônibus alimentadores.

O projeto geral abriu novos horizontes para os trabalhadores menos instruídos que viviam no sul mais pobre da cidade. Isso lhes permitiu viajar para o centro da cidade e encontrar empregos que melhor correspondessem às suas habilidades e pagassem salários mais altos entre as empresas mais produtivas da cidade.

Números mostram crescimento do PIB com novo sistema 

O Transmilenio também beneficiou trabalhadores mais qualificados e mais ricos – aqueles com ensino médio ou superior – dando-lhes ganhos de bem-estar mais ou menos iguais aos dos pobres. Isso é surpreendente, uma vez que os pobres tendem a usar o transporte público muito mais do que os ricos. Porém, trabalhadores mais qualificados, como engenheiros de computação ou advogados corporativos, não têm muitas opções. Eles só conseguem encontrar trabalho em empresas mais produtivas, como as localizadas no centro da cidade de Bogotá. E com o tempo de deslocamento para o centro da cidade reduzido, a Transmilenio deu a eles mais tempo para trabalho e lazer.

As empresas também foram grandes vencedoras. Eles foram mais capazes de empregar pessoas das regiões mais distantes da cidade que não podiam acessar o centro da cidade antes. E, devido à maior oferta de trabalhadores entre os quais escolher, eles poderiam corresponder melhor os trabalhadores aos empregos e aumentar a produtividade.

Significativamente, o Transmilenio gerou mudanças que foram muito além das reduções no tempo de viagem e no acesso a empregos. Uma maior produtividade e expansão da empresa no centro da cidade significava que os aluguéis comerciais aumentavam, beneficiando os proprietários, mas consumindo parte dos lucros da empresa. O acesso melhor a bons empregos no sul pobre da cidade incentivou mais pessoas a se aproximar das linhas de Transmilenio, aumentando a competição por moradias e aluguéis e beneficiando da mesma forma os proprietários, mas consumindo os salários dos trabalhadores.

Alguns desses efeitos podem ter sido mitigados. Ao suspender as restrições de construção, por exemplo, Tsivanidis estima que Bogotá poderia aliviar a pressão sobre os aluguéis e aumentar os ganhos em bem-estar em 25%. Ainda assim, o novo sistema aumentou a renda real em cerca de 1,6% entre os trabalhadores com baixa e alta qualificação. Também aumentou o PIB da cidade em 1,4%, mesmo após o custo de construção e operação do novo sistema, com 60% a 80% desses ganhos advindos de pessoas que têm mais tempo para lazer e trabalho e 20% a 40% da melhoria na alocação do trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *