Cidade maranhense usa automação e reduz em 27% consumo de energia de sua ETE

Redação – 16.10.2019 –

Um problema inicial no painel com controlador lógico programável (PLC) da estação de tratamento de esgoto (ETE) provocou a melhoria do consumo energético da instalação na cidade maranhense de Caxias. Explicando: o sistema principal da ETE consistia em dois sopradores de 7,5 CV cada, funcionando de forma alternada, a cada seis horas, acionados por um painel com PLC. Eles enviavam ar para os reatores aerados, com objetivo de manter vivas as bactérias do processo de decomposição dos dejetos. Ocorre que o PLC deixou de funcionar e o acionamento dos sopradores passou a ser manual.

Com a pane, o Serviço autônomo de água e esgoto (SAAE) viu a possibilidade de melhorar a automação da ETE, que tem uma vazão de 34 m³/h e atende cerca de 2 mil residências na cidade. O projeto foi conduzido pelo SAAE e pela Danfoss, que estimaram que a automação levaria a uma redução da conta de energia. Por não existir projeto anterior, esquema elétrico e programa de automação, foi aplicado um conversor de frequência para acionar e fazer a alternância entre os sopradores. O dispositivo reduziu a frequência de funcionamento do sistema, uma vez que a quantidade de ar necessária não precisava ser maior do que 60 Hz.

O conversor de frequência foi instalado em maio de 2019 e consistiu no uso do smart logic do drive para alternar os sopradores a cada seis horas de funcionamento. O produto da Danfoss permite uma redução de 10% na rotação dos sopradores sem prejuízo ao processo. “Qualquer redução na rotação do soprador diminui significativamente o consumo. Com a redução de 10% na velocidade do soprador, a potência é diminuída em 27%. Uma vez que a energia é o produto da potência pelo tempo (KWh), a energia consumida também será reduzida em 27%”, explica o engenheiro Arnaldo Arruda, diretor administrativo do SAAE em Caxias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *