Inteligência Geográfica acaba com pagamento irregular de 47 mil ramais de saneamento em Porto Alegre

Da redação – 14.03.2016 –

Concessionária de água e esgoto da capital gaúcha cortou o benefício irregular de famílias que pagavam tarifa social (valor mínimo) mesmo sem atender as características de baixa renda exigidas nesse caso.

O Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) de Porto Alegre (RS) adotou a solução de Inteligência Geográfica para fazer uma revisão completa da situação dos consumidores da cidade. Até então, 72 mil ramais (que atendem quase um quarto da população de 1,4 milhão de habitantes) pagavam a tarifa social, que é o valor mínimo pago por famílias de baixa renda. Com a ajuda da tecnologia, o Dmae identificou que somente 25 mil desses clientes estavam corretamente registrados no benefício, enquanto os outros 47 mil viviam em situação não condizente com a lei.

Para chegar ao valor, a solução cruzou informações comerciais dos consumidores e dados da base cartográfica, além de imagens de satélite e fotos aéreas da região. Com isso, foi possível analisar a área sem a necessidade de visitas aos imóveis.

Fernando Neuwald, engenheiro civil no Dmae, avalia que o resultado foi fundamental para otimizar o poder de decisão dos gestores. “Nossa tomada de decisão tem sido muito mais ágil e assertiva após a revisão das tarifas utilizando a ferramenta”, diz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *