Internet das Coisas poderá ter menos gateways

Redação – 19.08.2020 –

Artigo do site americano IoT World Today avalia que maturidade do edge computing pode reduzir ou mesmo eliminar necessidade de gateways

A arquitetura das redes de Internet das Coisas (IoT) exige a ativação de gateways, equipamentos que fazem a agregação de dados dos sensores. No futuro, a aposta dos especialistas é na eliminação ou redução deles. O assunto foi discutido num artigo do site especializado IoT World Today. Os gateways intermediam, por exemplo, a comunicação dos sensores com a nuvem, para onde são enviadas as informações coletadas em campo. “Ao conectar sistematicamente o campo e a nuvem, os dispositivos de gateway IoT oferecem soluções locais de processamento e armazenamento, bem como a capacidade de controlar de forma autônoma os dispositivos de campo com base na entrada de dados por sensores”, destaca o artigo.

O gateway de IoT atua de várias formas, inclusive facilitando comunicações máquina a máquina (ou M2M) e a limpeza, filtragem, posicionamento e até análises iniciais dos dados antes do envio para a nuvem ou para um data center remoto. Por outro lado, ele adiciona mais um foco de ataque de hackers, o que significa que gateways de IoT precisam ser atualizados, gerenciados e protegidos. Mas o que acontece quando eles são removidos? As futuras soluções de computação distribuída e de ponta serão capazes de lidar com bilhões de IoT e dispositivos conectados que estarão online ao longo dos próximos anos?

Para que haja uma implantação de IoT sem gateway, algo terá que mudar. O edge computing pode ajudar nisso, pois foi projetada especificamente para superar os desafios da conectividade IoT. Essa arquitetura ajuda com latência e, em conjunto com 5G (em que a latência costuma ser inferior a 1 ms e as velocidades excedem 100 Mpbs), será possível ter uma plataforma poderosa, na qual dispositivos próximos ao limite atuais podem se conectar e processar todos os seus dados.

Na avaliação da IoT World Today, no entanto, a verdadeira resposta não é preto e branco. Depende do projeto. Nos próximos cinco anos ou mais, as implantações de borda se tornarão um componente-chave da integração de IoT e do trabalho com dispositivos conectados. Realisticamente, você será capaz de conectar dispositivos e sensores simples diretamente a um ecossistema de borda, desde que a rede de borda esteja próxima o suficiente e possa atender aos seus requisitos.

“Então, a borda se torna o gateway de IoT do futuro? Em muitos casos, isso é verdade. Mas dificilmente é o fim dos gateways IoT. Certamente haverá casos em que os gateways IoT locais podem ser necessários, como em situações de sensibilidade à latência. No entanto, os requisitos de segurança e integridade de dados podem exigir ainda a necessidade de uma maneira localizada de processar dados de IoT”, explica o artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *