Obras de duplicação são retomadas na AM-070

Da redação – 29.09.2016-

Obra começou em 2012 e já recebeu investimentos de aproximadamente R$ 280 milhões, segundo governo amazonense.

Pode-se dizer que a duplicação da AM-070 é uma obra de proporções amazônicas. A começar pelo tempo e pelo investimento já feitos e citados acima. O empreendimento passou por vários desafios, inclusive de preservação arqueológica, mas parece que agora avança. São atualmente seis frentes de trabalho envolvendo 200 trabalhadores e 70 máquinas em campo. Na avaliação da secretaria estadual de infraestrutura, “as obras seguem em ritmo acelerado para duplicar do km 20 ao km 35, onde fica a ponte sobre o rio Ariaú”.

Com a totalização dos mais de 15 km de duplicação da estrada, a obra está com avanço físico de 35%, o que torna a avaliação oficial um pouco otimista. Ainda de acordo com os dados oficiais, estão sendo realizados os trabalhos de limpeza do terreno, reciclagem do material da pista existente, drenagem com bueiros tubulares, terraplanagem, pavimentação, remoção de postes, topografia e controle tecnológico.

Alguns trechos duplicados já se encontram em fase de finalização, caso do km 26 ao km 31 que já possui 5.2 km de revestimento asfáltico. Quando pronta a duplicação, nos dois sentidos da estrada cada pista possuirá 7,20m, acostamentos com 1,50 m, drenagem de 0,80cm para cada lado e uma faixa central de 0,70cm que servirá para implantação da sinalização horizontal, com isso perfazendo uma largura total da estrada de 19,7 metros. Além disso, a paisagem também receberá o revestimento vegetal com mudas e arbustos com altura maior que um metro.

“O primeiro trecho duplicado da AM-070 possui 11 km de extensão e foi inaugurado em 2015 pelo Governo do Estado. Além dele, mais 9 km pavimentados já foram executados, faltando a conclusão da sinalização vertical e horizontal das vias. Com isso, são 20 km duplicados ao total até o presente momento”, explica a fiscal da obra, engenheira civil Ana Lúcia Matos.

Ainda de acordo com ela, durante o período das chuvas, os serviços de pavimentação e terraplanagem são paralisados pela dificuldade técnica de execução. No entanto, os serviços de arqueologia, construção de meio-fio, sarjetas, bueiros, por exemplo, são contínuos.

A construção dessa rodovia é importante na logística de transporte e escoamento da produção do Amazonas, pois liga Manaus a Iranduba, Novo Airão e Manacapuru. A piscicultura e a produção de farinha são algumas das áreas impulsionadas. Com a duplicação da estrada completa, a expectativa é promover o escoamento e abrir um novo caminho para a comercialização e distribuição de produtos do interior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *