Porque vale a pena cuidar e muito bem de sua máquina de fusão

Da Canaris – 26.08.2018 –

Kit Máquina de Fusão da Redex

O Brasil conta com 4,4 milhões de conexões ópticas. Os dados são da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Com isso, quase 15% de todas as ligações de banda larga do país acontecem via fibra óptica. Oito em cada 10 das novas conexões usa esse tipo de rede. Ou seja, a expansão da infraestrutura de telecomunicações precisa mais do que nunca das máquinas de fusão, equipamentos que fazem a ligação de fibras ópticas em campo. A questão é: você está cuidando bem do seu equipamento? Para ajudá-lo no processo criamos um check list rápido:

1: Com que frequência devo calibrar a máquina de fusão?

Tudo depende da condição do equipamento. Se ele for operado de forma apropriada, você provavelmente nem precisará calibrá-lo. É claro que vai necessitar trocar as peças de consumo, como eletrodos ou bateria. Algumas máquinas de fusão têm a função de reset do programa, da mesma forma que o telefone celular, ou seja, você pode redefinir a máquina para a versão original de fábrica, mas para o hardware não há nenhuma função de reset. Se o equipamento estiver bem conservado, devidamente tratado, na maioria das vezes não precisará de recalibração. Mas, infelizmente, pela experiência no mercado brasileiro, a recalibração é quase obrigatória em função da falta de treinamento da mão de obra.

2: Com que freqüência devo substituir os eletrodos?

A maioria dos fabricantes afirma que seus eletrodos podem produzir de 2,5 mil a 5 mil arcos elétricos, mas em muitos casos o arco elétrico parece normal apesar de ter excedido o número máximo do manual do equipamento. Um exemplo: se o manual indica 5 mil arcos e você verifica que a emenda é satisfatória depois de 5,1 mil arcos (atenção: valide isso com uso do OTDR), é provável que os eletrodos durem mais.

3: Qual é o programação de manutenção adequada?

Na maioria das vezes, você só precisa manter a máquina limpa. Lembre-se que a máquina de fusão combina as tecnologias óptica, mecânica e elétrica. As partes ópticas são muito frágeis e mais facilmente danificadas. Elas podem ainda ser facilmente contaminadas, uma vez que a poeira ou objetos grudam na lente óptica. E isso causará um mau funcionamento. Então, a primeira coisa que você deve verificar e se as lentes ópticas estão limpas. Mas também não é uma boa ideia limpar a lente óptica com freqüência, uma vez que a limpeza excessiva pode causar danos permanentes. Conclusão: quando você vir objetos ou muita poeira na lente, pode limpá-las com cuidado.

4: E se a houver o desalinhamento da fibra óptica?

É normal que a máquina de fusão, algumas vezes, não alinhe a fibra óptica corretamente. Quando isso acontece, os técnicos geralmente acessam o menu de serviço e fazem o alinhamento de forma manual. Agora, se o problema se repetir é necessário buscar a causa. Primeiro, verifique se o mau funcionamento é causada por objetos ou poeira na V Groove. Pode ser que o limite de tolerância de movimento do V Groove tenha sido excedido. Se isso acontecer, a fibra não será alinhada automaticamente. Mesmo após o alinhamento manual, a falha vai ocorrer porque existe alguma sujidade atrapalhando o processo.  mas a poeira ainda está lá, esse problema aparecerá novamente, o quão simples é isso. Conclusão: limpe primeiro a V Groove, depois faça o alinhamento manual (em alguns casos, o alinhamento manual não é necessário) e o problema será resolvido.

5: Quero mudar minha máquina de fusão atual e estou em dúvida

A realidade brasileira é um parque de máquinas de fusão de quatro motores que atendem perfeitamente as demandas de construção de rede óptica. Na verdade, o grande desafio do mercado atual é como operar e manter esses equipamentos de forma adequada. Um recente burburinho é a possível escolha de máquinas de seis motores. Esses equipamentos são direcionados para aplicações específicas, incluindo os serviços em backbone, onde existe a necessidade de fusão com fibras de fabricantes distintos ou a intervenção em redes já antigas (legado). Também podem ser aplicados onde existe a fusão de diferentes tipos de fibras (SM x MM, SM x DS, etc.) e onde há a exigência de emendas atenuadas e ainda a necessidade de identificação da fibra. Caso contrário, nossa recomendação é pela escolha de máquinas de fusão de quatro motores, treinamento de mão de obra e manutenção periódica.

Consultoria: Ana Cláudia Leite, da Redex Telecom.

Related Posts

Deixe uma resposta

*

Este post foi visto 236 vez(es).