Rumo amplia conectividade via satélite para gestão de sua malha ferroviária

Redação – 28.01.2020 –

Operadora logística vai usar rede satelital para conectar 1,6 mil locomotivas. Projeto começa com 300 delas na Ferrovia Norte

A Rumo acaba de fechar um contrato com o Globalsat Group para usar os recursos de banda larga satelital em seus trens de carga. O projeto inicial da operadora logística envolve 300 trens em 2 mil km da Ferrovia do Norte, que liga os estados daquela região ao porto de Santos, em São Paulo. Para interconectar as conexões, a operadora satelital usa os dispositivos de seu parceiro Cobham, que fornece os terminais a serem usados nas composições e a estrutura da InmarSat.

Com 14 mil km de malha ferroviária, a Rumo é uma das principais empresas de logística da América Latina e deve usar a rede satelital para melhorar o funcionamento da infraestrutura que detém. “Essa solução conectará os trens de carga da Rumo, aumentando a velocidade com que as mercadorias podem ser transportadas pelo país e melhorando a segurança dos trens, dos veículos e das pessoas que os operam”, avalia o Globalsat Group em comunicado oficial.

A etapa inicial na Ferrovia do Norte significa melhorar a cobertura em áreas remotas, sem cobertura de redes tradicionais de telecomunicações ou com uma infraestrutura ineficiente. A falta de comunicação prejudica a troca de informações entre os profissionais envolvidos – maquinistas, engenheiros ferroviários e gerentes de transporte. Segundo o Globalsat, a falta de atualização de informações pode causar atrasos na movimentação de cargas, pois os trens não podem seguir viagem se não receberem atualizações de tráfego ao vivo.

Projeto total envolve 1,6 mil locomotivas da Rumo

Os primeiros 300 trens a receberem a tecnologia usarão terminais Cobham e serão equipados com gateways móveis. Os profissionais vão adotar o serviço de comunicação push to talk (PTT) ou aperte para falar. Como estarão rastreados via satélite, o trens podem ser localizados com precisão e em tempo real. O projeto como um todo deverá ter 1,6 mil locomotivas conectadas com a rede de banda larga via satélite.

“No Brasil, o transporte ferroviário é o canal de transporte mais importante para muitos setores como agricultura, commodities, florestal e bens de consumo. Uma rede mais eficiente significará portanto uma economia mais forte”, argumenta Igor Falcão, diretor da Globalsat do Brasil e Vice-Presidente Sênior de Vendas do Globalsat Group. Ele lembra, por exemplo, que a rede ferroviária da Rumo é a única que conecta o estado central de Mato Grosso a Santos, o maior porto da América Latina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *