Sabesp testa Internet das Coisas e Inteligência Artificial em sua rede de telemetria

Redação – 17.03.2021

Concessionária contrata Nalbatech para coleta e análise de dados em tempo real em sua unidade de Itatiba, interior de São Paulo

A Sabesp vai testar a aplicação de recursos de Internet das Coisas (IoT) e Inteligência Artificial (AI) em um projeto piloto no interior de São Paulo. A iniciativa envolve o diagnostico diário de redes de telemetria e consumo na Unidade de Negócio Capivari/Jundiaí, localizada em Itatiba. Hoje, a concessionária atende cerca de  27,7 milhões de pessoas com abastecimento de água e mais de 21,4 milhões de pessoas com a coleta de esgotos em toda sua área de concessão.

O piloto de Itatiba tem como objetivo implementar um novo sistema centralizado de monitoramento e controle da telemetria e telemedição (hidrometria), que poderá ser replicado em outros municípios sob sua concessão e que servir de modelo para as demais unidades da empresa. O projeto faz ainda parte da construção de um modelo de gestão e operação centradas nos conceitos da Saneamento 4.0 (baseados na Indústria 4.0 e IoT – Internet das Coisas).

A Unidade de Negócio Capivari/Jundiaí atende a 13 municípios que integram a bacia hidrográfica Piracicaba/Capivari/Jundiaí, beneficiando uma população de mais de 800 mil moradores. Para realizar o tratamento dos dados coletados, a Nalbatech implementou a plataforma Elliot Cloud, com a capacidade de gestão de todos os dados provenientes dos sensores conectados aos dispositivos de medição de consumo no município de Morungaba e demais dados originários dos equipamentos utilizados na operação dos sistemas de abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos dos municípios atendidos

A tarefa da Nalbatech é qualificar a análise de dados coletados no sistema para garantir a tomada de decisões corretas relativas à Unidade, reduzindo e controlando a intervenção humana nas ocorrências de manutenção dos equipamentos e garantir a entrega da água em todo o sistema. A coleta de dados acontece a partir da medição da vazão da água, volume e pressão, turbidez, quantidade de cloro, flúor, insumos para tratamento, entre outros itens.

Os dados são transmitidos pelos sensores para a plataforma Elliot Cloud por meio de uma rede Sigfox, também implementada pela Nalbatech, oferecendo aos gestores da Sabesp a capacidade de acompanhar o ciclo de vida de todos os processos que envolvem o tratamento e abastecimento. Os dados são apresentados por meio de relatórios, gráficos online e envio de alarmes por e-mail e via aplicativos de comunicação unificada corporativa, auxiliando na execução de suas tarefas.

Cada dispositivo de IoT fornece informações sobre o consumo (hidrometria) na linha do tempo de cada cliente, registrando a quantidade e o momento exato de consumo. Qualquer problema na rede que possa afetar este consumo é alertado aos operadores, que podem ver na tela a ocorrência e adotar as medidas adequadas e possíveis vistorias in loco.

O objetivo do projeto piloto é facilitar a visão de todo o sistema em operação e não apenas isoladamente. A integração dos dados permite às equipes de cada unidade de campo atender a uma ocorrência imediatamente, sem a necessidade de contactar a Unidade para verificar se um agente verificou ou não um problema, tendo uma ação proativa minimizando problemas no abastecimento e reclamação dos clientes.

“Como a implantação do novo sistema pela Nalbatech temos uma visão 360 graus de todos os processos operacionais e nos permite uma atuação mais inteligente e eficaz, gerando melhor planejamento, ganhos de produtividade, redução de manutenções e melhoria da qualidade na execução do serviço com menor custo”, revela Daniel Bocalão Júnior, engenheiro responsável pelo projeto e implantação na Sabesp

Inteligência Artificial aplicada em Internet das Coisas garante os melhores resultados

A tomada de decisões é facilitada pela aplicação de Inteligência Artificial no processo de coleta de dados utilizando-se de regras de negócios implantadas na solução da Nalbatech, que permite a correlação de eventos originados na cadeia produtiva do processo de tratamento de água e esgoto, como exemplo: dados originados da captação de água bruta, o processo automatizado de tratamento, a reservação, e distribuição, os elementos de rede e o cliente. Os eventos que fogem dos parâmetros estabelecidos são rigorosamente verificados pelas equipes de campo.

“O setor de saneamento já não tem mais o mesmo modelo de antes e as soluções de IoT já fazem parte desta realidade. A inovação é necessária para permitir o controle da operação de Saneamento 4.0 e apontar indicadores fundamentais para acompanhamento do sistema com mais precisão”, comenta Neiton Santos Fernandes, gerente da Divisão de Serviços do Capivari/Jundiaí. “Se em uma residência, o cliente tem consumo elevado em determinado espaço de tempo e quando deveria ser zero (madrugada), o sistema emite uma alerta para que a situação seja analisada e tomada uma providência. Se, por exemplo, o consumo deveria ser zero naquele momento e os sensores captam elevado consumo, pode estar ocorrendo um vazamento e uma intervenção deverá ser tomada”, acrescenta o executivo.

O próximo passo, em um futuro próximo, será disponibilizar acesso ao cliente na solução para que possa acompanhar através de um smartphone a medição de consumo de sua residência ou empresa podendo atuar de maneira rápida no controle de desperdício e fazer o uso racional e eficaz da água.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *