Semana de leilões na B3 é decisiva para o mercado brasileiro de infraestrutura

Nelson Valêncio – 07.04.2021 –

MInfra negocia 28 dos 50 ativos previstos para leilão em 2021 e pavimenta crescimento do país nos próximos anos

Infra Week soma 28 dos 50 projetos a serem leiloados em 2021. Foto: EBC

A bolsa de valores B3 começa hoje o megaleilão de três dias (Infra Week) que vai colocar à venda 28 projetos de infraestrutura. Ontem pela manhã o Ministro da Infraestrutura (MInfra) Tarcísio Gomes de Freitas resumiu as expectativas para o evento, destacando que os projetos devem movimentar mais de R$ 10 bilhões em novos investimentos. Até o final do ano a previsão do MInfra é ter 50 ativos leiloados, movimentando R$ 84 bilhões em investimentos.

De acordo com o MInfra, o programa brasileiro seria o maior projeto de privatização no mundo, com a expectativa de movimentar R$ 260 bilhões entre 2019 e 2020, sendo a soma dos investimentos diretos e indiretos da iniciativa privada nos projetos leiloados. A geração de empregos seria superior a 3,6 milhões de vagas nos mesmo período. Segundo o ministro, embora tenha gerado uma arrecadação via outorgas, a meta do programa não é essa e sim atrair capital privado para os projetos, inclusive de investidores internacionais.

Tarcísio destacou que a atratividade do programa acontece por vários fatores, a começar pela estabilidade do processo, com ambiente normativo favorável ao negócio. Outro ponto de destaque é a previsibilidade do processo. A solidez regulatória e a segurança jurídica são outras características positivas do programa. Para o ministro a curva de aprendizado também faz a diferença, caso do modelo de leilões em blocos para o leilão de aeroportos.

Somente nessa área, o programa deve transferir 22 deles para a iniciativa privada em três blocos. O do Norte envolve o aeroporto de Manaus, cujo volume de carga representa 40% do volume de negócios do bloco de projetos em leilão. O destaque do setor fica, apesar do atrativo do Infra Week, para o segundo semestre com o leilão dos aeroportos Santos Dumont e Congonhas, duas joias da coroa.

Na Infra Week estão ainda ativos de ferrovias, portos e linhas de transmissão. Entram nesse rol cinco projetos ferroviários que se juntam a outros 20 transacionados no ano passado. Com a movimentação do setor, cria-se uma malha leste oeste similar à norte sul atualmente existente e um cenário de vantagem competitiva para os produtores agrícolas, amplificando a ligação deles aos portos de exportação, além de ser uma canal de transporte para o setor mineral.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *