Usina solar da Copel começou a operar nesta semana

Redação – 04.-03.2020 –

A Copel colocou em operação nesta semana as três primeiras unidades geradoras da Usina Solar Fotovoltaica Bandeirantes, construída no norte do Paraná. Inicialmente a usina vai funcionar com 3 MWp (megawatt-pico, unidade de potência de energia fotovoltaica). Outras três unidades geradoras devem ser energizadas ainda neste ano, totalizando 5,36 MWp de potência instalada. Essa geração seria suficiente para atender o consumo de energia de 10 mil pessoas.

A Usina Bandeirantes faz parte de um novo modelo de negócios da Copel, que implanta e opera as unidades de geração distribuída de energia e o cliente assina um contrato de aluguel da usina. A energia gerada é usada para compensar o consumo, resultando em desconto na conta de luz.

“Com este projeto, a Copel dá mais um passo rumo à energia do futuro: com fonte renovável, no modelo da geração distribuída, facilitando a vida do consumidor”, diz Daniel Pimentel Slaviero, presidente da Copel.

O complexo solar, construído no município de Bandeirantes, a 100 km de Londrina, o é formado por 6.900 placas fotovoltaicas, que ocupam uma área de 10,35 hectares (o tamanho de quase dez campos de futebol). Cada placa é formada por células fotovoltaicas de silício policristalino. Essas células são interligadas em série e reagem com a incidência dos raios de sol, liberando elétrons que são transferidos para um circuito dentro da placa ou painel solar.

A usina vai funcionar em regime de minigeração distribuída no modelo de autoconsumo remoto. Isso significa que as unidades consumidoras devem ser de titularidade de uma mesma pessoa física ou jurídica, e estar dentro da mesma área de concessão da distribuidora.

Os projetos foram implantados em parceria com a Sistechne Participações. “A entrada em operação da usina contribui para colocar nosso plano estratégico em prática. Estamos expandindo os negócios e pretendemos ampliar nossa atuação no mercado de geração distribuída de matriz fotovoltaica, especialmente nos modelos de minigeração”, diz Cassio Santana da Silva, diretor de desenvolvimento de negócios da Copel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *