Verizon é a rainha do IoT em gerenciamento de frota

Da Redação – 24.08.2017

Relatório da consultoria sueca Berg Insight mostra os dados da América do Norte e da América Latina

O gerenciamento de frotas – desde caminhões de lixo até as betoneiras que distribuem concreto ao longo das cidades – podem ser um dos elementos chave do crescimento da Internet das Coisas (IoT). A consultoria Berg Insight avalia que somente na América do Norte a taxa composta de crescimento anual (CAGR) seja de 15%. Com isso, o total de veículos com recursos de IoT deve pular dos 6,7 milhões (final de 2016) para 13,5 milhões em 2021. Na América Latina, a CAGR é de 12,9% e os números mostram um salto de 2,5 milhões de veículos com IoT (final de 2016) para um total de 4,7 milhões em 2020.

A consultoria também mapeou parte dos players que estão puxando a oferta desses serviços, o que inclui 25 sistemas de gerenciamento de frota. Juntos, eles respondem por 6 milhões de unidades ativas na região das Américas somadas. Num grupo ainda mais seleto – 15 top players – o número de veículos gerenciados por cada um supera a casa dos 100 mil (dados do final de 2016). Ainda mais impactante é a participação dos cinco maiores gerenciadores de frotas das Américas: eles concentram 40% de todas as unidades com recursos de IoT.

Em termos de volume, a Verizon, dos Estados Unidos, é uma espécie de tubarão branco entre os predadores: ela tem três operações no ramo, incluindo a Networkfleet, Telogis e Fleetmatics, as quais “claramente cimentaram a operadora baseada nos Estados Unidos como a líder em perspectiva global do setor”, informa Rickard Andersson, analista Sênior da Berg Insight.

A Verizon tem batido suas concorrentes mais próximas numa proporção de 3:1. Outros players incluem a Trimble, Geotab and Omnitracs, as quais tinham ultrapassado um total de 500 mil unidades gerenciadas no final de 2016 nas Américas. O estudo também destaca as inciativas de telemática no regime de O&M e o fato de que muitos veículos já saem de fábrica com recursos de IoT embutidos, principalmente na América do Norte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *