As ações de ISPs e usuários para mitigar ataques cibernéticos

InfraDigital (*) – 06.08.2021 – Podcast Conexão InfraDigital traz uma visão integrada de rede e como ISPs e usuários devem agir para manter os equipamentos de redes protegidos

Dados da Fortinet, empresa especializada em cibersegurança, indicam que o Brasil sofreu mais de 3,2 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos no primeiro trimestre do ano. O País, inclusive, lidera o ranking de vulnerabilidades na América Latina.

Além disso, os cibercriminosos estão procurando brechas no teletrabalho para tentar acessar as redes corporativas por meio dos funcionários que trabalham em casa. E esta questão tente a ficar mais comum.

Mob Telecom ultrapassa marca de 70 lojas em todo o Nordeste

Como consequência, também no primeiro trimestre deste ano, foram registradas várias tentativas de execução do código remoto a roteadores domésticos, o que mostra uma tentativa de interceptar e redirecionar as comunicações dos usuários remotos para sites maliciosos.

episódio 4 do podcast Conexão InfraDigital conversou com Fabricio Araújo, especialista em telecomunicações da Intelbras, e com Otávio Tavares, gerente de expansão de redes da Mob Telecom, sobre ações que usuários residenciais e corporativos podem assumir para minimizar os riscos de ciberataques.

Fabrício também comenta sobre a importância de o provedor de serviços de telecomunicações orientar os usuários residencial e corporativo quanto a corresponsabilidade no cuidado com a segurança dos ambientes digitais. “O provedor educar os clientes pode ser um dos principais caminhos para minimizar este problema de cibersegurança”, comenta.

Otávio Tavares, gerente de expansão de redes da Mob Telecom, empresa com atuação nas regiões Norte e Nordeste do País, relata que a segurança da rede da empresa, com mais de 30 mil quilômetros de extensão, e também das instalações nos milhares de usuários residenciais e corporativos é feita por meio de uma política de mitigação de riscos.

O provedor de serviços utiliza recursos de segurança baseados nos serviços de nuvem e também em servidores locais, instalados em um data center em São Paulo. “Esta política nos permite entregar um tráfego limpo aos clientes”, diz Tavares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *