Eólica e solar levam carvão à queda recorde em 2020

Redação – 31.03.2021 – 

Resultado só foi possível porque a pandemia pausou a crescente demanda por eletricidade segundo relatório da Ember

A eletricidade gerada por novas turbinas eólicas e painéis solares em 2020 (+315 TWh) ajudou a forçar uma queda recorde na energia global do carvão (-346 TWh). A informação é do relatório Global Electricity Review, publicado pelo think tank de energia Ember em 28 de março. O relatório adverte que isto só foi possível porque a pandemia fez uma pausa na crescente demanda mundial por eletricidade. Desde 2015, a crescente demanda de eletricidade superou o crescimento da eletricidade limpa e levou a um aumento dos combustíveis fósseis e das emissões.

“À medida que a demanda de eletricidade for retomando e aumentando, o mundo precisará fazer muito mais para garantir que o carvão continue caindo”, disse Dave Jones, líder mundial da Ember. “Com o uso do carvão já aumentando em 2021 em toda a China, Índia e EUA, é claro que o grande passo para cima ainda está por acontecer”.

Pausa pela pandemia ajudou eólica e solar a empurrar carvão para queda recorde

A pandemia paralisou o mundo em 2020 e fez uma pausa na crescente demanda mundial por eletricidade. A leve queda na demanda (-0,1%) foi a primeira queda desde 2009, embora tenha sido menor do que o impacto da crise financeira.

O vento e a energia solar mostraram um crescimento resiliente apesar da pandemia, 15% (+314 TWh) em 2020, o que é mais do que toda a produção anual de eletricidade do Reino Unido. O vento e a energia solar fornecem agora quase um décimo da eletricidade global, espelhada em muitos países do G20, incluindo Índia (9%), China (9,5%), Japão (10%), Brasil (11%), EUA (12%) e Turquia (12%). A Europa está liderando o caminho, com a Alemanha em 33% e o Reino Unido em 29%, dando confiança em como o vento e a energia solar podem ser rapidamente integrados ao sistema elétrico.

O crescimento da energia eólica e solar ajudou a empurrar a energia do carvão para uma queda recorde de 4% (-346 TWh). Entretanto, os modelos da Agência Internacional de Energia mostram que a energia a carvão deve cair 14% a cada ano para manter o mundo no caminho certo para 2050 emissões net-zero. À medida que o crescimento da demanda de eletricidade voltar a crescer, o vento e a energia solar precisarão acelerar significativamente para garantir que o carvão continue a cair.

China fica isolada enquanto o mundo se afasta da energia do carvão

A China aumentou com sucesso o acesso à eletricidade; a demanda per capita está agora acima do Reino Unido e da Itália. Mais da metade do aumento da demanda desde 2015 foi atendida por fontes limpas, mas 39% foi atendida com carvão. Em 2020, a China foi o único país do G20 que viu um grande aumento na geração de carvão, porque a demanda de eletricidade aumentou acentuadamente.

Os quatro maiores países produtores de carvão, depois da China, todos viram a energia do carvão diminuir em 2020: Índia (-5%), Estados Unidos (-20%), Japão (-1%) e Coréia do Sul (-13%). Em 2020, a China foi responsável por mais da metade (53%) da eletricidade mundial alimentada a carvão.

Emissões ainda não caíram depois de Paris

Apesar da queda recorde no carvão em 2020, as emissões do setor elétrico ainda eram cerca de 2% maiores no ano pandêmico do que em 2015, quando o Acordo de Paris foi assinado. A demanda de eletricidade aumentou 11% (+2536 TWh) desde 2015, mas isto superou o aumento na geração de eletricidade limpa (+2107 TWh). Como resultado, a eletricidade queimada a gás aumentou 11% (+562 TWh) e a geração de carvão caiu apenas 0,8% (-71 TWh).

“O progresso está longe de ser suficientemente rápido. Apesar da queda recorde do carvão durante a pandemia, ele ainda ficou aquém do que é necessário”, diz Dave Jones, líder mundial da Ember. Segundo ele, a energia do carvão precisa entrar em colapso em 80% até 2030 para evitar níveis perigosos de aquecimento acima de 1,5 graus. “Precisamos construir eletricidade limpa o suficiente para substituir simultaneamente o carvão e eletrificar a economia global. Os líderes mundiais ainda não acordaram para a enormidade do desafio”, argumenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *