Escavadeira em mineração: nova vida pós 10 mil horas

Da Redação – 05.06.2017 –

Equipamento usado na frente de lavra foi repassado para área de apoio, com novas funções a partir da substituição de implemento

O cenário é uma grande empresa que explora minério de ferro em Minas Gerais e o ator principal – em mudança de carreira – uma escavadeira hidráulica de 70 toneladas. Com 10 mil horas de operação, a R 964 C da Liebherr tinha horímetro avançado para as atividades na frente de lavra, mas ainda tem energia suficiente para ser usada em atividades de suporte na mina. Essa transformação foi o desafio que a fabricante, com unidade industrial no Vale do Paraíba, em São Paulo, enfrentou recentemente.

O reaproveitamento da escavadeira, na verdade, foi uma grande sacada da mineradora em parceria com a Liebherr. Explicando: a empresa usava – em regime de locação – uma escavadeira menor nas operações de manutenção das bacias de rejeito. Como possui a maior frota de R 964 C do Brasil, a solução era simples e envolvia a adoção de uma delas – aquela com uma carga horária considerável para a nova função.

A mudança exigiu modificações, a começar no principal implemento, a concha da escavadeira – que passou dos originais 4,0 m³, na operação com minério, para 1,65 m³, nos trabalhos de manutenção das bacias de rejeitos. O alcance do braço também precisaria passar dos 7,30 metros de profundidade para 12,65 metros. As duas tarefas foram levadas a efeito com a consultoria de engenheiros da Liebherr. Com a orientação correta, a R 964 C recebeu um contrapeso HD mais pesado que o padrão, totalizando 14,8 toneladas. A iniciativa melhorou a estabilidade da máquina.liebherr-escavadeira-r964c-long-reach

Agora modificada, a máquina atua no desassoreamento dos canais de rejeitos, ou seja, a conexão entre o local da retirada da água do minério e a bacia onde ela é armazenada. Esses canais precisam ser limpos constantemente devido ao assoreamento frequente, tarefa para a qual são empregadas escavadeiras hidráulicas de menor porte do que as usadas na mineração em si. De acordo com a Liebherr, os equipamentos estão sujeitos aos riscos que a instabilidade do terreno proporciona – local muito úmido e irregular. Por este motivo, eles devem ficar o mais distante possível das margens do canal, o que explica um braço de maior alcance.

A experiência da Liebherr mostrou outra faceta dos fabricantes de equipamentos em tempos de crise ou não: a flexibilidade. Com a substituição e com um investimento pequeno, a mineração passou a operar a própria frota em regime de um turno (contra dois da máquina locada) e manteve resultados operacionais semelhantes ao regime anterior.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *