Smart Water: aplicativo mostra consumo e identifica vazamento de água em apartamentos

Por Rodrigo Conceição Santos – 13.08.2015 –

Solução de medidores inteligentes da CAS Tecnologia visa reduzir desperdício de água, permite controle instantâneo dos gastos e promete retorno sobre o investimento em poucos meses.

A demanda por medidores individualizados em apartamentos está maior com a crise hídrica. Afinal, se o mote de justiça – fazendo com que cada apartamento pague exatamente pelo que consome – já é um impulsionador da tecnologia, o aspecto de economia e de meio ambiente reforça a máxima, reuzindo em 20%, em média, o consumo de água. A avaliação é da CAS Tecnologia, empresa que fornece medidores inteligentes para redes de água, energia e gás, e que acaba de apresentar uma evolução desses sistemas, concatenada num aplicativo para tablets e smartphones.

Agora, os usuários da tecnologia de medidores mais recentes da CAS poderão acompanhar, em tempo real, se a meta de consumo para o mês está sendo cumprida, saber dos dias e períodos de pico no consumo e ainda identificar se há vazamentos e, mais ainda, ser avisados disso via alertas.

O aplicativo está em fase de teste, mas deve ser comercializado para condomínios residenciais verticais ainda neste ano. Apesar de factível, sua venda não será feita ao varejo (residências), inicialmente. “Mas deverá ser no futuro e também pretendemos expandir a solução para os medidores inteligentes de gás e de energia”, diz Marco Aurélio Teixeira, gerente da área de recursos hídricos da CAS Tecnologia.

Marco Aurélio é um entusiasta da medição individualizada e foi justamente ele o responsável pelo ingresso da CAS nesse setor, há alguns anos. Ele era síndico do prédio no qual morava e se sentia injustiçado com a cobrança da água embutida no condomínio e particionada entre os apartamentos. Nos últimos meses, depois de ganhar alguns clientes, ele e sua equipe têm trabalhado para reduzir o intervalo de avaliação dos medidores e, assim, ampliar o nível de controle. “Uma vez que a nossa tecnologia era capaz de medir e emitir relatórios diários do consumo de cada unidade, pensamos: por que não fazê-lo de hora em hora?”, diz.

O avanço permite identificar os padrões de consumo em cada apartamento e usar inteligência para saber quais são os períodos sazonais, como a madrugada. “Sabendo que, se os moradores dormem na madrugada ou se estão viajando em determinados dias, o consumo medido no hidrômetro deve ser zero. Qualquer coisa diferente disso é uma possibilidade de vazamento e aí a intervenção deve ser a mais rápida possível”, diz.

Com esse raciocínio ficou mais simples ampliar o nível de controle e a saída foi criar softwares e hardwares – tudo desenvolvido pela própria CAS – para operacionalizar. A interface fica por conta de um aplicativo, para Android e IOS, que pode identificar mudanças no padrão de consumo durante a madrugada, por exemplo, e emitir um alerta de vazamento no smartphone do proprietário. “E mais do que isso: o alerta sugere o volume do vazamento e quanto isso está custando em reais para o morador”, diz.

Tecnologia
Para suportar esse sistema, a CAS conta com uma divisão de infraestrutura crítica em TI, que já é responsável por armazenar e gerenciar dados em grande volume. Só para efeito de comparação, a empresa atua com 20, das 26 maiores companhias de energia elétrica do país, boa parte já com redes inteligentes (smart grids), que geram seus volumes de dados periodicamente. “Atualmente, temos mais de 30 mil medidores de água instalados em São Paulo e os mais recentes deles poderão incrementar o aplicativo para gerenciamento”, diz Marco Aurélio. Ele confirma que os medidores mais antigos não estão preparados para a tecnologia e que essa avaliação será feita caso a caso pela CAS.

Todos as instalações de agora em diante também estarão aptas ao aplicativo, garante o executivo da CAS. E ele avalia que a demanda será grande, já que somente no primeiro semestre foram oito condomínios adotando os medidores inteligentes da marca. “No ano passado inteiro foram três condomínios”, compara ele.

O crescimento está atrelado à dificuldade com recursos hídricos, fazendo com que os condomínios procurem formas de gerir melhor o consumo. “Esse tipo de instalação demora, em média, dez meses e o custo é de R$ 1,8 mil a R$ 2,8 mil por apartamento”, revela Marco Aurélio. O investimento, segundo ele, pode ser recuperado em alguns meses, dependendo do nível de economia alcançado por cada cliente.

m uma das projeções da CAS, considerando um condomínio de 388 apartamentos que consomem juntos 7,5 mil m³ de água ao mês, uma redução de 20% no consumo gera redução no valor da conta de 25%. Isso, somado ao bônus de 30% na tabela progressiva da Sabesp, daria uma economia de 45% no valor da conta de água.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *