Podcast: a sinergia do 5G e do Wi-Fi 6 e o avanço da economia digital no Brasil

Rodrigo Conceição Santos e Jackeline Carvalho – 25.02.2021 –

Saiba o que está em jogo para os provedores regionais e grandes operadoras com o a instalação das redes 5G e o avanço dos serviços baseados em Wi-Fi 6, e como a tecnologia deve melhorar a nossa experiência de conectividade.

 

Hoje, às 15h00, a diretoria da Anatel se reúne para prosseguir na votação da proposta de Edital do 5G. O tema é polêmico, pois envolve exigências às grandes operadoras (Claro, Tim e Vivo), além de possibilitar – ou não – maior participação dos provedores regionais no processo.

O assunto é o centro do episódio “Era Digital, o que o 5G e o Wi-Fi 6 de fato representam”, em podcast produzido pela iniciativa InfraDigital* e disponível gratuitamente no Spotify e demais plataformas de streaming.

Sidney Batistela, diretor da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), é um dos entrevistados e mostra como os provedores regionais podem participar ativamente do avanço do 5G no Brasil. Segundo ele, estas empresas contam com backhauls (anéis de fibra óptica que ligam pequenas regiões) que otimizariam a implementação da tecnologia em cidades menores.

“A Anatel não pode cometer o mesmo erro que cometeu com o 3G e o 4G, deixando a implementação da tecnologia na mão das grandes operadoras. É por isso que até hoje temos cidades do Brasil sem conexão 3G. Afinal, não interessa para as grandes empresas atuar em regiões de pouca densidade demográfica”, diz. “Já os provedores regionais atuam com foco justamente nessas localidades, pois eles têm estrutura e rede mais enxutas, de forma que poucas assinaturas já lhes trazem rentabilidade”, completa.

Antenor Nogara, country manager da HPE-Aruba, reforça que o 5G deve proporcionar conectividade ao menos quatro vezes mais rápida que o 4G, além de permitir conectar mais usuários em cada infraestrutura de rede. “Ou seja, os operadores podem atender mais clientes e com melhor qualidade na mesma infraestrutura”, salienta. Essa premissa, segundo ele, é a mesma do Wi-FI 6, tecnologia homologada internacionalmente em 2019 e que deve elevar a experiência de conectividade em ambientes internos (corporações, residências, arenas esportivas, shopping centers, etc.) na mesma proporção do 5G.

Além da conectividade, provedores regionais e concessionárias planejam a oferta de diversos novos serviços, por isto a importância de já preparar a infraestrutura, com data center e redes seguras para atendimento outdoor e indoor.

Ouça agora o episódio “Era Digital, o que o 5G e o Wi-Fi 6 de fato representam” e entenda detalhes das tecnologias que devem impulsionar aplicações de internet das coisas, cidades inteligentes e automações de diversos ambientes nos próximos anos.

 

Expectativa para o Edital da Anatel

A dinâmica do processo de Edital do 5G segue os trâmites tradicionais de esferas administrativas, onde um relator do caso apresenta o texto inicial para que os demais conselheiros do órgão avaliem, complementem e votem. Três deles já votaram em favor do texto inicial, e outros dois pediram vistas ao processo na audiência que ocorreu há três semanas.

Hoje, 25.02, é a data que eles têm para apresentar as considerações ou pedir novo adiamento. Também é possível que os votos já computados sejam alterados, com base nos novos argumentos apresentados pelos pedintes de vistas. Além disso, outros conselheiros que ainda não se manifestaram podem pedir novas vistas, adiando novamente o processo.

A audiência de hoje será realizada de forma virtual, com transmissão ao vivo aberta ao público pelo portal da Anatel a partir das 15h00.

 

(*) O InfraDigital é um projeto comum de conteúdo do InfraROI e o do IPNews. Para informações sobre o formato, consulte Jackeline Carvalho (jackeline@cinterativa.com.br), Nelson Valêncio (nelson@canaris-com.com.br) ou Rodrigo Santos (rodrigo@canaris-com.com.br).

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *