Especial: Pedreira do RS aproveita o excedente da britagem para produzir areia artificial

Por Nelson Valêncio – 4 de dezembro de 2014

Com a aquisição de tecnologias bem especificadas, principalmente um britador de rolo e uma peneira do tipo banana, a Incopel entrou num novo nicho de mercado para atender construtoras e fabricantes de artefatos de concreto, entre outros setores

Foto: Audrei Moron

Foto: Audrei Moron

O material de construção mais consumido no mundo é o concreto. Areia – um de seus componentes – representa 30% da matéria-prima que o constitui e, em sonante, será cada vez mais valiosa dada as restrições ambientais para extração em rios ou em cava. Afinal, nos dois casos, o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) mapeia que ocorrem danos, como a alteração da calha dos rios e a erosão da mata ciliar, entre outros complicadores ao meio ambiente. Aspectos econômicos também pesam. Um exemplo são as operações que abastecem de areia natural a Região Metropolitana de São Paulo. Elas estão cada vez mais distantes, aumentando o custo de transporte (o transporte representa 60% do custo total da areia) e encarecendo o produto final.

De olho nesse cenário, algumas pedreiras começaram a produzir areia artificial, com um subproduto da brita que, as vezes, supera a qualidade da areia natural no que diz respeito ao controle granulométrico e melhor cubicidade. É o caso da gaúcha Incopel, que, além de entrar em um mercado ascendente, encontrou destinamento para reutilizar os excessos sazonais na produção de brita, mostrando, no cerne, o que é obter retorno sobre um investimento.

Caso de sucesso
A Incopel opera na cidade de Estância Velha, Região Metropolitana de Porto Alegre e, durante dois anos, enfrentou o problema de excesso pontual na produção de britas com granulometrias de 7/8 e 3/8. Paralelamente, os profissionais da empresa avaliavam o mercado de areia na região e, entre outras métricas, constataram aumento no preço do metro cúbico dessa matéria prima, que passou de R$ 40,00 para R$ 100,00 no período. “Nós já vínhamos avaliando como utilizar o excedente de 7/8 e 3/8”, explica Jorge Felippe Gewehr, diretor da Incopel. “Mas a combinação das restrições ambientais para a exploração de areia natural na nossa região, junto com o consequente aumento de preço, foi definidora para a instalação de uma planta de produção de areia artificial”, completa.

A solução
Com a decisão tomada, iniciaram as avaliações técnicas e a opção foi ativar uma unidade composta por britador de rolo de alta pressão (HPGR). O modelo escolhido foi o HRC 800, da Metso, que opera em consonância com uma peneira Nordberg TS3.3, do tipo banana.

HRC 800A operação iniciou em maio de 2014 e a planta produtiva de areia artificial é abastecida por um mix de brita 7/8 (70% do volume) e 3/8 (30%). O material, transportado por caminhões com capacidade de 18 toneladas, percorre 200 metros até a boca do alimentador, que abastece – via correia transportadora – o HRC 800.

De acordo com Felippe Gewehr, esse processo deriva a classificação de três produtos finais. O primeiro é a brita de ½ polegada, usada na fabricação de postes de concreto e na pavimentação de rodovias. A brita de ¼ é o segundo produto classificado, sendo direcionada principalmente para a construção de tubos de concreto usados em obras de saneamento e no mercado de artefatos de concreto, como os blocos intertravados. “Com a vantagem de permitir a economia de cimento, segundo meus próprios clientes”, ressalta Gewehr.

Já a areia artificial, o terceiro produto, segue abastecendo o mercado de concreteiras e as fabricantes de tubos e concreto, entre outros segmentos.

Parceria
A definição do trio de produtos fabricados na nova linha da Incopel envolveu não somente o conhecimento da própria mineradora, mas também os recursos do laboratório de britagem da Metso, localizado em Sorocaba (SP). Além do basalto minerado pela pedreira, os técnicos da Metso avaliaram a mistura inicial que alimenta o HRC 800 e os três produtos finais. O resultado foi um gráfico que ilustra a malha granulométrica nos estágios de classificação.

Foto: Audrei Moron

Foto: Audrei Moron

De acordo com a Metso, mais do que uma análise real do que está sendo britado e classificado, é formatado uma espécie de mapa indicativo para os clientes da Incopel, que podem aprimorar sua linha de fabricação ou usar os materiais de forma mais adequada em campo.

O processo a quatro mãos ainda envolve o acompanhamento regular da britagem, algo que tem permitido à pedreira gaúcha fazer testes pontuais na linha de produção.

Com essa nova produção, a Incopel já tem traçados os planos para o futuro próximo e o principal deles, segundo Felippe Gewehr, será a instalação de um sistema transportador de correias. Ele deverá ter dois lances: um com 12 metros e outro com 34 metros, e recolherá as britas de 7/8 e as de 3/8, eliminando o transporte via caminhão e demonstrando mais uma vez que a aquisição de equipamentos adequados significa retorno do investimento.

Leia também:
Britador de rolos conquista área de agregados
Usuários validam qualidade do agregado
Operador aprova o britador de rolos

  1. Bill Barbosa Reply

    Foi uma grande sacado dos técnicos da pedreira, meus parabéns (via linkedin)

  2. Ângelo Siqueira Reply

    Beneficiará usuários de areia na região. Sendo que o custo-benefício será atrativo (via linkedin)

Deixe uma resposta

*

Este post foi visto 2400 vez(es).