Especial: 9 informações que prometem investimentos bilionários no setor de gás natural

Da Redação – 25.06.2015 – 

A discussão sobre o futuro do gás natural está na ordem do dia no Rio de Janeiro. Hoje, o 16º Seminário sobre Gás Natural, organizado pelo Instituto Nacional do Petróleo (INP) e promovido pelo Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), encerra várias mesas redondas com especialistas no Rio de Janeiro. Acompanhe a cobertura especial do InfraROI, alguns dos temas debatidos.

Grupo Bolognesi confirma política agressiva na área de gás
Paulo César Rutzen, CEO da Bolognesi Energia, empresa do grupo gaúcho dedicado ao setor energético, confirmou agora de manhã que o foco da empresa está nos investimentos em gás, tanto o natural como o GNL. O executivo reforçou a estratégia durante o, organizado pelo Instituto Nacional do Petróleo (INP) no Rio de Janeiro. A companhia tem operações com pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) em vários estados e um parque de usinas eólicas, mas o gás assume uma importância vital com dois projetos, que totalizam um investimento de capital de R$ 6,6 bilhões (leia mais).

Presidente da EPE aponta crescimento de 419% nas térmicas a gás
Maurício Tolmasquim – presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a autarquia que responde pelo planejamento energético no Brasil – fez um apanhado do mercado de termelétricas a gás na mesa redonda que encerrou o primeiro dia do 16º Seminário sobre Gás Natural, no Rio de Janeiro. Os dados do especialista indicam que a geração a gás deu um salto entre 2002 e 2014, com um crescimento de 13,5% ao ano (leia mais).

Bolívia nega risco de não fornecimento de gás ao Brasil e Argentina
Grande fornecedora de gás natural para o Brasil, a Bolívia negou que o país tenha problemas de fornecimento do combustível. O risco foi levantado por especialistas que participam do 16º Seminário sobre Gás Natural, promovido pelo Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP) e que será encerrado hoje no Rio de Janeiro. Ontem, o gerente de marketing da YPFB, a estatal boliviana responsável pela exploração e produção do gás natural, Edwin Maranon Somoya, foi enfático ao dizer que a empresa tem todas as condições de manter o fornecimento (leia mais).

Gás natural ainda é oportunidade de infraestrutura no Brasil
O Brasil tem 27 mil km de malha de gasoduto para distribuição insumo, enquanto os EUA somam 143 mil km contra a rede brasileira. Ou seja, a expansão do gás também pode significar investimentos em infraestrutura, mas o monopólio da Petrobras no setor pode ser um atravancador (leia mais).

Austrália e China entram forte na geopolítica do gás
O mercado de gás natural liquefeito (GNL) vai passar por uma baixa de preço com a entrada de novos projetos de produção na Austrália. A informação é de Eric Eyberg, consultor de Gestão da Wood Mackenzie, empresa de estudos na área de energia (leia mais).

Argentina tem o desafio de renovar infraestrutura de gás
A Argentina tem planos de renovar sua infraestrutura de transporte e distribuição de gás natural nos próximos 20 anos. A informação é de Pablo Gustavo Erias, chefe de coordenação comercial da TNG. Os investimentos são necessários pelo cenário enfrentado pelo país vizinho, onde 42% dos dutos de transporte de gás têm mais de 40 anos (leia mais).

Projeto Alpha, ou Rota 4, da Cosan, envolve gasoduto de 200 km
O grupo empresarial tem planos para construir um gasoduto para escoar a produção de gás natural produzido na área do pré-sal no litoral paulista. O empreendimento levaria o combustível até a Baixada Santista, com atendimento local e também à Região Metropolitana de São Paulo, incluindo consumidores domésticos e uma estrutura de usina térmica a gás natural (leia mais).

Gasoduto Rota 3 já está pronto, garante Petrobras
Com 400 km de extensão, o gasoduto Rota 3, da Petrobras já está pronto. A informação é de Leonardo Machado, gerente da petroleira e palestrante do 16º Seminário sobre Gás Natural, organizado pelo Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), que será encerrado hoje no Rio de Janeiro (leia mais).

Projeto de Rio Grande, da Bolognesi, envolve gasoduto de 300 km até Porto Alegre
A empresa confirmou que um gasoduto de 311 km de extensão com dutos de 24 polegadas de diâmetro poderá fazer parte da estrutura que a empresa monta no porto de Rio Grande (RS). Se construído, o duto ligará o porto gaúcho ao terminal de Triunfo, na Região Metropolitana da capital gaúcha (leia mais).

Deixe uma resposta

*

Este post foi visto 1308 vez(es).